Campeonato Brasileiro
[23/10 e 24/10] .::. Atlético-PR x Fluminense / Botafogo x Vitória / Vasco x Flamengo .::.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

VITÓRIA POLÊMICA 2

Marcelinho Paraíba entra em campo e decide
Foto: Globoesporte.com


Torcedores do Mais Querido do Brasil

O Flamengo venceu o Bangu, por 2 a 1, no Estádio Raulino de Oliveira, pela segunda rodada da Taça Guanabara. Marcelinho Paraíba, de pênalti, e Ronaldo Angelim anotaram para o Fla, e o atacante Rafael Soeiro descontou para o Alvirrubro. O rubro-negro segue líder do Grupo B ao lado do Botafogo com seis pontos e o Bangu é lanterna com zero.

Novamente a arbitragem foi a máxima da partida. Pênaltis duvidosos a favor do Flamengo e dois impedimentos não existentes, um para cada lado, mancharam o trio de arbitragm que apitou a partida em Volta Redonda.

O Fla começou mal a partida, sem nenhuma objetividade, mesmo apoiado pela torcida que compareceu ao estádio Raulino de Oliveira. Não há mudança entre Caio Júnior e Cuca taticamente. Nessas duas partidas da Taça Guanabara, o ritmo empregado e o estilo de marcação e ataque são os mesmos.

Os laterais são a válvula de escape do Mengão, que muita das vezes afunilam as jogadas pelo meio, na função de armadores. Airton é “improvisado” como um terceiro zagueiro ao lado de Fábio Luciano e Ronaldo Angelim, e o novato Willians, que veio do Santo André, ainda não mostrou o seu potencial. Está fazendo até então o feijão com arroz.

Kléberson, com toda sua bagagem parece ter um final de carreira melancólico. É um jogador do elenco que mais é aguardado uma atuação de gala, porém são raros esses momentos. Ibson, continua na garra e na tentativa de arrumar o setor, mas “uma andorinha não faz verão”. O jovem Everton, que substituiu Marcelinho Paraíba, barrado pelos índices técnicos e físicos, jogou bem, mas precisa de mais tempo para se acostumar à pressão do que é vestir a camisa do Flamengo. Já o bravo Obina (tsic, tsic), é insistente, mas não percebeu que ele é o Obina, o cara aguerrido, sem muita habilidade, mas que resolve. O Anjo Negro deve parar de querer firular. Deixa isso para quem sabe. A função dele é balançar a rede de maneira simples.

O Flamengo começou desorganizado, alçando bolas na área, sem nenhuma objetividade. O Bangu, após penar por anos na Segunda Divisão do Campeonato Carioca, começou tímido, mas foi se soltando no jogo e dando trabalho a zaga.

Aos 38, o pênalti a favor do Flamengo. A torcida pediu para o goleiro Bruno cobrar, mas Obina pegou a bola e partiu para a cobrança com paradinha e carimbou a trave.

No intervalo, Cuca tirou Kléberson e pôs a campo o “barrado” Marcelinho Paraíba. O Flamengo melhorou um pouco, mas esbarrava na boa atuação do goleiro do Bangu, Diogo.

Aos 12, o time alvirrubro abriu o placar. O experiente Douglas Silva, ex-Flamengo, soltou a bomba, Bruno espalmou para dentro da área, e Rafael Soeiro completou livre para o fundo das redes. Bangu 1 a 0.

Após o gol, o Mais Querido do Brasil começou a criar a cara e o jeito que a torcida está acostumada a ver. Airton foi sacado para a entrada do bom meio-campo Jonatas. O Flamengo começou a criar mais e pressionar. O Bangu se sentiu acuado, e sofreu o gol de empate aos 40 minutos em outro pênalti a favor do time da Gávea. Marcelinho Paraíba cobrou bem, deslocando o goleiro e empatou. 1 a 1.

No apagar das luzes, Ronaldo Angelim marcou o gol da vitória de cabeça após cruzamento de Marcelinho Paraíba. Entretanto, houve dois gols, um para cada lado, que foi anulado pela arbitragem, sujando ainda mais a ficha dos homens do apito.

O Flamengo se beneficiou e vai buscar a terceira vitória consecutiva e os 100% de aproveitamento, domingo, no estádio Raulino de Oliveira, contra o Volta Redonda, time da casa.

FICHA TÉCNICA
BANGU 1 X 2 FLAMENGO


Local: Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ)
Data: 29 de janeiro de 2009, quinta-feira
Horário: 16h30 horas (de Brasília)
Árbitro: Djalma Beltrami
Assistentes: Dibert Pedrosa Moisés e Cláudio José de Oliveira
Público: 4.694 pagantes (total de 6.027)
Renda: R$ 64.330,00
Cartões amarelos: Edinho, Bruno Luiz, Douglas Silva, Márcio Cleick, Marcus Vinícius, Willian, Rafael Soeiro (Bangu); Kleberson, Ibson (Flamengo)


BANGU: Diogo; Uilliam (Flavinho), Abílio, Marcio Cleick e André Oliveira; Edinho, Douglas Silva, Paulo Roberto (Rafael Soeiro) e Marcus Vinicius; Somália (Sassá) e Bruno Luís
Técnico: Edson Souza

FLAMENGO: Bruno (6.5); Fábio Luciano (6.0), Aírton (5.5) (Jônatas - 6.5) e Ronaldo Angelim (6.5); Leonardo Moura (6.0), Willians (5.5), Kléberson (5.0) (Maxi - 6.0), Ibson (6.0) e Juan (6.0) (Marcelinho Paraíba - 6.5); Everton (5.5) e Obina (5.5)
Técnico: Cuca (6.0)


VIDEOBLOG - BANGU 1X2 FLAMENGO

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

APERTADO, MAS IMPORTANTE

Jogadores comemoram o gol de Victor Simões
Foto: Jornal dos Sports
Torcedores do Glorioso,

Mesmo com mais da metade do time modificado em relação ao que goleou o mesmo Macaé no ano passado, o Botafogo entrou sob pressão de aplicar uma nova goleada. Com três jogadores que nunca tinham atuado no Engenhão, o Glorioso foi a luta na segunda rodada da Taça Guanabara já sabendo do triunfo do Flamengo diante do Bangu. E exatamente quem nunca havia atuado no mais moderno do Brasil desequilibrou: passe de Léo Silva, gol de Victor Simões e vitória de 1 a 0.


O que viu-se no primeiro tempo foi a descida constante dos laterais alvinegros, tanto Alessandro quanto Eduardo não se cansaram de apoiar o ataque e as vezes arriscavam até chutes ao gol. Já no segundo tempo Ney Franco desmontou essa postura de ataque e afunilou o esquema tático do Glorioso não permitindo mais o avanço dos alas alvinegros.

Aos sete minutos do primeiro tempo saiu o primeiro gol. Léo Silva ganhou a jogada no meio-campo e lançou para Victor Simões, o camisa 9 bateu de perna esquerda e deslocou o goleiro Darci para colocar o Botafogo em vantagem. A torcida seguiu apoiando o time que teve ainda boas oportunidades de ampliar e outra vez quase que Maicosuel matou o jogo ainda no primeiro tempo, com um cobrança de falta que pegou na parte de sustentação da baliza.

Com o ritmo um pouco mais fraco e o gramado pesado devido a chuva que caiu antes de a bola rolar, o Bota não era mais tão ofensivo e o meio-campo estava muito povoado. O Macaé então resolveu aprontar no solo Glorioso. Jackson recebeu em posição legal e soltou a bomba para defesa de Renan, no rebote Marciano aproveitou e Renan pegou novamente. Nesse momento o Engenhão foi a loucura aos gritos do nome do goleiro alvinegro.

Ainda ao final do primeiro tempo, o Bota criou outra chance, a última pela lateral do campo, Eduardo ganhou bem e cruzou na medida, Diego ganhou da zaga e acertou uma cabeçada no travessão. Na saída de campo, os jogadores esperaram uns aos outros e saíram todos juntos em ordem da diretoria para mostrar união.

Na volta para o segundo tempo, Ney Franco sacou Diego e Léo Silva, colocando a campo Túlio Souza e Batista, respectivamente. Lucas Silva foi avançado ao ataque para jogar ao lado de Victor Simões, mas as improvisações equivocadas do técnico alvinegro não surtiram efeito e o nível do jogo caiu muito. O Botafogo, por exemplo, só mostrava perigo nos lances de bola parada com o capitão Juninho.

O Macaé soube portar-se defensivamente e diminuia os espaços para o ataque do Botafogo. Em alguns momentos, Leandro Guerreiro chegava para buscar o ataque. Como a troca de passes estava difícil, as jogadas individuais eram a melhor opção e foi assim que Alessandro tirou o primeiro "uhhh" da galera, somente aos 22 minutos num chute que passou perto do travessão.

Percebendo a besteira que fez, Ney Franco resolveu gastar sua última alteração ao colocar o jovem Laio na vaga de Lucas Silva, deixando assim o Botafogo sem nenhuma improvisação. Com apenas cinco minutos em campo, Laio entrou na área cortando a defesa e foi derrubado, porém o árbitro entendeu como uma simulação e aplicou amarelo ao atacante botafoguense.

Mesmo com o cronômetro nos último minutos, o Macaé mostrava fôlego para surpreender a defesa alvinegra e chegou, em alguns momentos, a ter o domínio do jogo. Já com a vitória garantida, Maicosuel arrumou uma falta próxima a área e chamou a galera, que já não apoiava há tempos, para jogar junto. Juninho soltou a bomba na cobrança e Darci salvou a meta dos visitantes. Assim, Willian Nery colocou a bola de baixo do braço e apitou apontando o centro do gramado. Segunda vitória em dois jogos do renovado Botafogo, a primeira diante da torcida.

Botafogo 1 X 0 Macaé

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 29/01/2009 - 18h45
Árbitro: William Marcelo de Souza Nery (RJ)
Auxiliares: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Alexandre Eller (RJ).
Público/renda: 8.409 pagantes /R$ 131.283,00
Gols: Victor Simões, 6'/1ºT (1-0)
Cartões amarelos: Léo Silva, Laio (BOT); Hélton, Jackson, André Gomes (MAC).

Botafogo: Renan; Alessandro, Emerson, Juninho e Eduardo; Leandro Guerreiro, Léo Silva (Batista, intervalo) Lucas Silva (Laio, 34'/2ºT) e Maicosuel; Diego (Túlio Souza, intervalo) e Victor Simões. Técnico: Ney Franco.

Macaé: Darci; Fred, André (Rodrigão, 20'/2ºT), Hélton e Bill (Éverton, intervalo); Léo Gonçalves, André Gomes (Marciel, 14'/2ºT), Glauber e Wallacer; Marciano e Jackson. Técnico: Dário Lourenço

MANSINHO, MANSINHO...

Amigos cruzmaltinos,

Mostrando um futebol infinitamente superior ao apresentado na estréia do Estadual, o Vasco goleou o Tigres por 4x0 no estádio Los Larios, em Xerém. Os gols da partida foram marcados por Pimpão, Nilton e Faioli (2). Com o resultado, a equipe saiu da lanterna e subiu para a 3ª posição do Grupo A da Taça Guanabara. O time cruzmaltino volta a campo neste sabado, para enfrentar o Duque de Caxias em São Januário.

Localizado em um local de dificílimo acesso, o estádio do Tigres recebeu um bom público nesta quarta. Apesar dos 3.144 pagantes divulgados, a impressão era de que o estádio estava quase lotado, sendo sua capacidade total 11 mil. Obviamente a torcida do Vasco era maioria, mas o time da casa levou alguns habitantes da região ao seu belo estádio.

Como era de se esperar, os dois times começaram o jogo com tudo, em especial o time da casa, com a empolgação natural de quem enfrenta um Clube grande. No início do jogo, algumas chances de ambos os lados, mas nada de muito perigoso. Aos 17, um susto: o zagueiro do Tigres se chocou com o companheiro e teve que ir para o hospital. O time caxiense teve três boas chances: com Clayton em cobrança de falta que Tiago defendeu, em voleio de Guerra e em chute para fora de Sorato. O Vasco então avançou seus laterais e passou a pressionar. Pimpão deu bom chute, mas o zagueiro se jogou na frente e cortou. Aos 37 não teve jeito: Jéferson deu lindo passe para Pimpão, que com tranquilidade, driblou o goleiro e empurrou para o gol vazio. Vascão 1x0, no primeiro gol do Ursinho com nossa camisa.

Aos 40, Alex Teixeira, em sua única finalização correta no jogo, marcou um belo gol, após passe magistral de Carlos Alberto. O assistente porém, assinalou erradamente o impedimento. Aos 45, Sorato levoua torcida do Vasco à loucura, desperdiçando gol claro. A galera logo, explodiu gritando: "Sorato, Sorato". Fim do primeiro tempo e se o Vasco não era espetacular, ao menos vencia e nesse início de trabalho, isso é muito importante.

Assim como no primeiro tempo, o Tigres tentou atacar no início da segunda etapa. Em cruzamento da esquerda, Tiago fez golpe de vista e deu um grande susto na torcida, com a bola batendo na trave. O Vasco também atacou, mas Pimpão e Alex Teixeira usaram pouca força para finalizar e facitaram a vida do goleito do Tigres. Carlos Alberto quase marcou, mas o zagueiro desviou para fora. Aos 25, o jogo foi decidido e prol do Vasco. Um jogador do Tigres deu carrinho em Carlos Alberto e foi expulso. Na cobrança de falta, Paulo Sérgio colocou com açúcar na cabeça de Nilton que marcou o segundo.

A torcida auri-verde começou a ir embora e Dorival Jr. a fazer experiências no time, sacando Amaral, Alex Teixeira e Pimpão para a entrada de Mateus, Carlos Antônio e Faioli. O jogo ficou fácil e em ritmo mais leve, o Vasco sacramentou a goleada com dois gols de Faioli. O primeiro aos 34, após rebote do goleiro e o segundo após bom passe de Carlos Alberto dentro da área. O time ainda criou algumas oportunidades, mas nenhum gol a mais saiu. Após o jogo, os jogadores aplaudiram e foram aplaudidos pelo bom número de torcedores que se deslocou até Xerém para ver o Vascão jogar. Na estréia oficial do estádio do Tigres, deixamos a Fera mansinha, mansinha e o Bacalhau fez a festa.

Destaques positivos na partida principalmente para Nilton, fabuloso no desarme e marcação e Faioli, que em pouco tempo criou muitas chances de gol e marcou dois. No geral, todo o time esteve bem melhor e a utilização de hora Amaral, hora Nilton como terceiro zagueiro ajudou o time a ter mais consistência defensiva. Assim, o ataque pôde fluir mais e as chances aparecerem naturalmente.
Evidentemente, uma goleada contra o Tigres não pode gerar excessiva empolgação, mas a continuar nessa crescente, o time pode dar muitas alegrias à torcida ainda nessa Taça Guanabara.
TIGRES 0 x 4 VASCO

Estádio: Los Larios, em Xerém, Duque de Caxias (RJ)
Data: 28/01/2009 (quarta) Hora: 19h30min (horário brasileiro de verão)
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (RJ) Assistente Nº1: Wagner de Almeida Santos (RJ) Assistente Nº2: José Carlos Batista de Arruda (RJ) 4º Árbitro: José Pedrenho Dias (RJ)
Público: R$ 54.880,00 Renda: 3.144 pagantes
Cartões amarelos: Ramón 25'/1ºT (VAS), Marquinhos 31'/1ºT (TIG), Carlos Alberto 36'/1ºT (VAS), Alex Teixeira (VAS)19'/2ºT, Claiton 23'/2ºT (TIG). Cartões vermelhos: Marquinhos (2º amarelo) 25'/2ºT (TIG)
Gols: Rodrigo Pimpão 37'/1ºT (VAS), Nilton (cabeça) 26'/2ºT (VAS); Faioli 34'/2ºT (VAS), Faioli 38'/2ºT (VAS).

TIGRES: Marcos Paulo; Oziel, Zé Carlos (Aílson 18'/1ºT), Gustavo e Edson; Neto (Gilcimar, intervalo), Marquinhos, Clayton e Denis; Guerra e Sorato (Eduardo 12'/2ºT). Técnico: João Carlos Costa.
VASCO: Tiago; Paulo Sérgio, Titi, Fernando e Ramón; Amaral (Mateus 27'/2ºT), Nilton, Jéferson e Alex Teixeira (Faioli 32'/2ºT); Carlos Alberto e Rodrigo Pimpão (Carlos Antônio 27'/2ºT). Técnico: Dorival Júnior.

Sds vascaínas a todos!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A FERA VAI VIRAR PRESA

Prezados amigos vascaínos,
Nesta quarta-feira, às 19:30, o Vasco entra em campo no novíssimo estádio Los Larios, em Xerém, para enfrentar os donos da casa, o jovem time do Tigres do Brasil. A partida é válida pela 2ª rodada da Taça Guanabara e será a primeira da história entre os dois Clubes. O time da casa vem de um empate fora de casa contra o Caxias na estréia, enquanto o Gigante da Colina perdeu em casa para o Americano.

Com menos de 5 anos de vida, o Tigres, conhecido como Fera da Baixada, faz neste ano sua estréia na divisão principal do Campeonato Estadual. Com estrutura de dar inveja a qualquer time do país, o Clube fará hoje a primeira partida oficial de seu moderno estádio. Em campo, os jogadores mais conhecidos do time são o veterano Sorato, ídolo vascaíno e o zagueiro Zé Carlos, ex-Fluminense. O animal que dá nome ao Clube pode ser assim definido: Predador carnívoro, caçador noturno e apesar de seu grande tamanho, pode se aproximar de suas presas, antes de se precipitar sobre elas a curta distância. Exímio nadador, já aconteceu de tigres nadarem mais de 5 km.

Assim, com o jogo se realizando à noite e havendo a possibilidade de chuva, o Tigres poderia ser uma adversário perigoso. Porém, a história precisa se reverter e o felino ficar mansinho, como o da foto acima. O Gigante da Colina certamente irá com tudo pra cima do seu adversário e o fará passar de caçador a caça.

Para o jogo, o técnico Dorival Jr. pretende manter a base do time que estreou na competição. O único desfalque confirmado é Léo Lima, que sentiu a coxa e será substituído por Nílton, fortalecendo assim a proteção à zaga. Outro possível desfalque é Jeferson, com problemas com a justiça do Trabalho. O Clube tenta uma liminar para garantir a escalação do meio-campista.

Um dado curioso é que desde 1999, o Vasco não perde o seu segundo jogo na temporada. Que o tabu seja mantido. O público deve ser razoável, com alguns ônibus saindo de São Januário e algumas pessoas indo de carro, além é claro dos moradores da região de Xerém. Eu que não sou bobo nem nada, garanti meu ingresso e estarei no estádio para ver o duelo entre o Vascão e o Tigres, trazendo amanhã a cobertura total para o Blog.
Sds vascaínas a todos!

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

ESTRELA SOLIDÁRIA: SALVANDO VIDAS

Leando, o guerreiro, veste a camisa da campanha
Foto: Comunidade do Botafogo


Torcedores do Glorioso,

A torcida alvinegra tem dado um exemplo do que é torcer e ajudar o time fora das quatro linhas. Após pintar os muros do Engenhão com as cores do Botafogo e ajudar também na pintura da sede de General Severiano, agora dá o maior exemplo de todos, o exemplo da solidariedade, do amor ao próximo, mostrando que quando se quer muito alguma coisa, consegue-se realmente alcançar. Mais de 200 torcedores uniformizados já foram doar sangue no hemorio, que estava com o estoque praticamente no zero. Jogadores e ex-jogadores do clube, além do presidente Maurício Assumpção, também marcaram presença.

A campanha nasceu de um tópico na comunidade do Botafogo no orkut e ganhou vários adeptos ao movimento. As únicas exigências feitas para a doação foram as seguintes: Ter entre 18 e 65 anos, ter mais de 50 quilos, não estar em jejum e estar vestindo a camisa Gloriosa. No local da doação, Rua Frei Caneca, 8 - Centro, há um espaço reservado aos botafoguenses que queiram doar. A "Estrela Solidária" está fazendo sucesso no Rio de Janeiro e em Brasília, onde a torcida do Botafogo é muito grande.

O goleiro Castillo também colaborou com a campanha, doando seu sangue de raça uruguaia. O campeão brasileiro de 1995, Donizete, também foi contribuir, o ídolo Maurício, autor do gol do título estadual de 1989, também marcou presença.

A campanha veio da torcida do Botafogo, mas é direcionada a qualquer torcida do país, mostrando que o futebol também é solidariedade. Você é torcedor do Flamengo, Fluminense, Vasco... Doe seu sangue, mostre que também é solidário.

Saudações Alvinegras.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

MUITA CHUVA NO CLÁSSICO CAXIENSE

Chuva castigou o gramado do Marrentão.
Foto: Carlos Alberto


Amigos caxienses,

No sábado, Duque de Caxias e Tigres do Brasil, fizeram, pela primeira vez, o clássico caxiense na Primeira Divisão do Rio. Ninguém levou vantagem, o derby terminou empatado em 1 a 1.

A torcida vai ter que esperar um pouco mais para ver o bom futebol do Duque. Com o gramado encharcado, as poças jogavam como zagueiros, desarmando todos os jogadores que passavam por elas e as equipes só chegavam na base do chutão e nas bolas paradas. E foi em duas jogadas de escanteio que saíram os gols do jogo. No primeiro tempo, Clayton de cabeça e no segundo, Edivaldo completou pro gol vazio. Sem contar que o Duque teve também um gol anulado, bem marcado pelo juiz e que também foi uma jogada de escanteio.

Pelo o que jogaram sábado, Duque de Caxias e Tigres do Brasil vão fazer um bom campeonato e não devem ser candidatos ao rebaixamento, apesar do nível do Campeonato ter melhorado bastante em relação ao ano passado.

O Duque de Caxias viajou hoje à tarde para Campos, onde enfrenta nesta terça o Americano às 19h30. O Americano, que venceu o Vasco em São Januário por 2 a 0, ainda não venceu o Duque na história, na última vez que se enfrentaram em Campos, o jogo terminou empatado em 0x0, com o Duque perdendo um pênalti.

MUITA CALMA NESSA HORA

Maicosuel no coletivo alvinegro: Principal candidato a ídolo
Foto: Lancenet


Torcedores do Glorioso,

Sim, o Botafogo foi o clube grande que melhor estreou no estadual e sim, o Maicosuel decidiu o jogo a nosso favor surpreendendo a todo mundo, mas calma. Nada de Magosuel, Maicoshowel, Magocruel, é apenas a primeira partida do ano e não vamos nos precipitar em relação a habilidade deste jogador.

Depois de aguentar Lúcio Flávio por dois anos com a camisa 10 do Botafogo, nos vimos sem referência no meio-campo com a saída do maestro e, devido a pré-temporada ruim que o Maicosuel fez, todos ficamos receosos quanto a esse setor que parece se acertar aos poucos. Agora, idolatrar o novo camisa 10 do Glorioso por causa de uma partida é querer demais. Sim, estamos com carência de ídolos, o Botafogo de Futebol e Regatas, que semrpe revelou os melhores jogadores que o futebol viu em campo, está carente de um ídolo, mas nada de forçar uma idolatria.

Retornemos ao ano de 2008, quando Thiaguinho fez uma série de partidas memoráveis fazendo gols incriveis, choveram propostas para tirar o lateral de General Severiano e ele foi idolatrado pela torcida que simplesmente esqueceu da existência de Alessandro, que vinha atuando bem. No fim das contas, Thiaguinho não demonstrou mais o seu bom futebol, virou reserva e permaneceu no Botafogo.

Até agora o Maicosuel só mostrou uma coisa, que não é bobo. Entende de futebol, tem potencial para craque, para decidir um jogo, mas não vamos vir com apelidos que remetem a um cracaço, é só o começo. Pode vir a ser nosso ídolo da temporada? Com certeza, mas ainda é cedo. Espero realmente que Maicosuel venha a ser o principal jogador da tempora e decida nas bolas paradas, mas não vamos nos deixar levar por matérias sensacionalistas que colocam o camisa 10 como o melhor jogador do cariocão.

Saudações Alvinegras

domingo, 25 de janeiro de 2009

QUE CALOR!

Juan comemora o seu gol no Maracanã
Foto: Globoesporte.com


ENVIADO ESPECIAL: Renan de Moura

Torcedores do Mais Querido do Brasil!


O Flamengo passou um sufoco nessa tarde de domingo para vencer o Friburguense por 1 a 0, pela primeira rodada da Taça Guanabara, no Maracanã. O gol foi marcado por Juan na segunda etapa.

A torcida do Flamengo compareceu em bom número ao estádio e esperava uma grande atuação do grupo rubro-negro principalmente pela permanência da maior parte do elenco que disputou os campeonatos em 2008. Mas não foi o que se viu em campo. A alta temperatura no Rio de Janeiro não foi capaz de contagiar os times em campo. Tanto Flamengo como Friburguense chegavam pouco a meta adversária e não traziam perigo. Com muitos toques e um jogo truncado, o “flavoritismo” do atual bicampeão estadual não parece contagiar da mesma forma a Nação.

Na próxima rodada, o Flamengo enfrentará o Bangu, no estádio da Cidadania, em Volta Redonda.

O gramado do Maracanã não estava em suas melhores condições. Aos dez minutos, Ronaldo Angelim foi enganado pelo quique da bola e fez falta próximo a risca da grande área. O meio-campo Cassiano chutou forte, mas Bruno encaixou firme a primeira chance do time de Friburgo.

Aos 12, uma falta parecidíssima a favor do Flamengo. Bruno foi convocado pela torcida, recebeu o aval do técnico Cuca e apareceu para a cobrança, mas Léo Moura foi quem cobrou e carimbou a barreira.

Logo após, o Friburguense quase abriu o placar, mas Bruno e Fábio Luciano afastaram o perigo dentro da área rubro-negra. A partir de então, o goleiro do Friburguense, Adriano, ex-Flamengo, começou a se destacar e salvar sua equipe. Obina teve grande chance em cabeçada firme, mas o arqueiro mandou a bola para escanteio.

Aos 35, a melhor chance do primeiro tempo, novamente nos pés do Anjo Negro. Obina depois de bate e rebate na área chutou colocado, mas o goleiro Adriano se esticou todo e acabou com a festa.

O Flamengo apoiava sempre pelo seu lado esquerdo, com Juan, que acabou sendo premiado no segundo tempo. Na volta do intervalo, Marcelinho Paraíba foi substituído por Everton e o Mengão melhorou pouco. Aos dois minutos, o Friburguense balançou a rede com o camisa 10 Victor Hugo, mas a arbitragem marcou impedimento que não ocorreu. Temos que ser justos. Da posição que estava na Tribuna de Imprensa, vi claramente que o meio-campo do time de Friburgo não estava em posição irregular. Melhor para o Flamengo.

Aos 13 minutos, o time da Gávea abriu o marcador. Uma boa trama do ataque rubro-negro pelo lado direito proporcionou uma confusão na grande área adversária, e Juan, como um centroavante pegou a sobra e empurrou a bola para o fundo da rede. Fla 1 a 0.

O Flamengo ainda teve duas chances para ampliar com Obina, mas o camisa 9 do Mengão não soube aproveitar. O Friburguense foi atrás do empate, entretanto, a falta de pontaria e disposição do time de Nova Friburgo impediram qualquer reação.

A partida estava tão ruim e sem vontade pelos clubes em campo que o árbitro que acrescentou quatro minutos, “carregou” o jogo até os 47 apenas.

Jogo horrível, mas que garantiu os três pontos para o Flamengo em busca do sonhado quinto Tri Estadual.

FLAMENGO 1 X 0 FRIBURGUENSE

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 25/01/2009 - 17h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro (RJ)
Assistentes: Luiz Antonio Muniz de Oliveira e Lilian da Silva Fernandes
Renda/público: R$ 562.847,00/ 34.132 pagantes
Cartões amarelos: Ronaldo Angelim, Leonardo Moura (FLA); Gilson, Alex (FRI)
GOL: Juan, 12'/2ºT

FLAMENGO: Bruno (7.0), Aírton (5.5), Fábio Luciano (6.0) e Ronaldo Angelim (5.5); Leonardo Moura (5.5), Willians (5.5), Kleberson (6.0) (Fierro - 5.5) , Ibson (6.0) e Juan (7.0) (Toró - 6.0); Marcelinho Paraíba (5.0) (Everton - 6.0) e Obina (6.0). Técnico: Cuca (6.0)

FRIBURGUENSE: Adriano, Wallace, Crispin, Cadão e Gilson; Sergio Gomes, Elan(Emerson), Victor Hugo (Ziquinha) e Cassiano; Alex (Hércules) e Tiago. Técnico: Cleimar Rocha.


QUEM NÃO FAZ...PERDE!

Nem Fernando Henrique salva o Fluminense na estreia
Foto: Globoesporte.com


Caros amigos tricolores,

Quando Diguinho, logo aos quatro minutos fez 1 a 0 para o Tricolor, achei que teria um bom final de domingo, no qual comemorava o aniversário de 31 anos da minha irmã. Isso foi por volta das 19h20m. Mas me enganei. Perdendo muitos gols, o Flu tomou a virada e perdeu na estreia do Campeonato Carioca 2009 para a Cabofriense por 3 a 1, com gols marcados por Ramon, Roberto e do volante Da Silva, ex-Flamengo, para o time da casa. E sem querer cometer injustiças, já que é início de temporada, mas o que foi a zaga do Fluminense hoje? Edcarlos e Luiz Alberto bateram cabeça, com a contribuição do Jaílton.

Como disse, não quero ser injusto, mas o volante que veio do Flamengo não atuou bem, assim como os dois zagueiros. E o pior de tudo: no terceiro gol marcado por Da Silva - que nunca fez gol..tsc tsc - deu um corte desconcertante no nosso bravo camisa 5 e bateu com categoria, fazendo um golaço!!!


Vale ressaltar também a quantidade de gols perdidos pelo Tricolor das Laranjeiras: Leandro Amaral, Alan, Edcarlos, todos tiveram chances, mas não conseguiram marcar.

Acho que o Fluminense tem muito o que melhorar e pode melhorar para que a torcida possa ter bastante alegrias em 2009, porém o René Simões terá muito trabalho, porque ter no time um atacante como o Roger é complicado.

OBS: Enquanto isso, o ex-camsia 9 tricolor, Washington, marcou dois gols em sua estreia com a camisa do São Paulo. E ainda tinha torcedor tricolor que queria ele longe das Laranjeiras. Pronto, ele está!!!!

Abraços,
Thiago Zorro

DO FUNDO DO BAÚ: VASCO DA GAMA 2 X 1 BOTAFOGO (1959)

No dia 10 de Janeiro de 1959, num sábado, Vasco da Gama e Botafogo jogaram no Estádio do Maracanã pelo 2º turno do Supercampeonato pela decisão do Campeonato Carioca de 1958 e o
time da colina histórica venceu o jogo pelo placar de 2 tentos a 1.
Nesso o C.R. Vasco da Gama foi o SuperSuper Campeão Carioca.

O Jogo

VASCO DA GAMA (RJ) 2 X 1 BOTAFOGO (RJ)
Data: 10/01/1959
Campeonato Carioca
Local : Estádio Do Maracanã / Rio De Janeiro
Arbitro: Eunápio De Queiroz
Gols : Pinga 08, Quarentinha 44/1º e Pinga 08/2º
VASCO DA GAMA: Hélio, Paulinho, Bellini, Coronel, Écio, Orlando, Sabará, Almir, Roberto Pinto, Waldemar e Pinga / Técnico : Gradim
BOTAFOGO: Amauri, Cacá, Tomé, Paulistinha, Nilton Santos, Pampolini, Didi, Garrincha, Paulinho, Quarentinha e Neivaldo

O Craque: Bellini
Hideraldo Luis Bellini nasceu dia 7 de junho de 1930 na cidade de Itapira (SP). São poucas as pessoas no mundo que podem se orgulhar de ter criado algo, um produto, uma fórmula, um objeto e, até mesmo um gesto. Assim como surgiu o cumprimentar de mãos, o abraço, o beijo no rosto, Bellini pode se orgulhar de ter feito pela primeira vez um movimento que alegra dos mais jovens aos mais idosos, do mais rico para o mais pobre. Graças a ele, foi criado um dos gestos mais significativos do futebol e, até mesmo, dos outros esportes; o levantar da taça de campeão. Os brasileiros em especial, jamais esquecerão daquele gesto feito por Bellini no dia 29 de junho de 1958, dia em que conquistamos o primeiro título mundial, ao vencermos a Suécia por 5 a 2. Foi uma copa que jamais esqueceremos, pois foi neste mundial que o mundo conheceu Pelé, Garrincha, Gilmar e também o nosso capitão que orgulhosamente levantou a taça de campeão.


Bellini ainda era um garoto quando começou a dar os primeiros chutes nas ruas de terra de Itapira, no interior paulista, sua cidade natal. Fazia a bola com as meias e usava os sapatos como traves. Aos domingos, a diversão era se reunir na Praça Central para escutar os clássicos do Pacaembu, pelo rádio. Cresceu escutando nomes como Domingos da Guia e a idéia de virar zagueiro já ia formigando em sua cabeça. Ao chegar na adolescência, Bellini era convidado para jogar competições amadoras da região, sem sonhar ainda com o profissionalismo. Sem contar com grande qualidade técnica nos pés, acabou virando zagueiro de vez. Para espanto de todos, Bellini demonstrava muita raça e, acima de tudo, categoria e lealdade no campo, contra os adversários.


A partir de 1949, já decidido a virar jogador de futebol, a vida de Bellini mudou. O futuro zagueiro da Seleção Brasileira espantava os torcedores da região com sua determinação e já era titular de todas as equipes que defendia. A notícia de um zagueiro estiloso logo circulou pelas cidades vizinhas e chamou a atenção de alguns olheiros de clubes menores. Depois de observar o futebol de Bellini de perto, o olheiro Mauro Xavier da Silva não esperou a ansiedade para contar ao clube onde trabalhava, o modesto Sãojoanense, que contava em seus quadros com um tal de Mauro Ramos de Oliveira. Pegou o primeiro ônibus de Itapira para São João da Boa Vista e, já no começo da madrugada, bateu na porta do presidente Francisco de Bernardes, que ainda sonolento, pediu que voltasse no outro dia. Foi quando Mauro insistiu e acabaram conversando. Bellini ficou por três anos no clube e mesmo atuando pela segunda divisão do futebol paulista, chamou a atenção dos grandes da capital.
Com algumas propostas na mão, Bellini apostou alto e preferiu acertar com o Vasco da Gama e partiu para o Rio de Janeiro, que sem saber o quanto que o clube carioca tinha pago pelo seu passe, assustou-se ao verificar o primeiro salário recebido, um valor extremamente superior ao que ganhava no humilde Sãojoanense.


A trajetória de Bellini no Vasco pode ser considerada cinematográfica. Ali o nosso capitão permaneceu por dez anos, conquistando três títulos cariocas, em 1952, 1956 e 1958, formando na época uma equipe simplesmente espetacular; Barbosa, Dario, Bellini, Orlando e Coronel; Écio e Rubens; Sabará, Almir, Vavá e Pinga. No ano de 1963, Bellini trocou São Januário pelo Morumbi. Mesmo com 32 anos, Bellini não decepcionou os dirigentes do tricolor que apostaram alto em sua contratação. Considerado velho no Vasco da Gama, saiu como ídolo e agora caminhava a passos largos para repetir o feito em São Paulo, jogando diante da mais exigente torcida da capital.

Prejudicado pelos insucessos do São Paulo naquela época da construção do estádio do Morumbi e também com o fracasso da seleção de 1966, onde ele foi reserva de Brito, em 1968 acabou arriscando tudo ao aceitar uma proposta do Atlético-PR, na época uma equipe desconhecida da maioria dos torcedores. Junto com ele, também foi outro veterano, Djalma Santos, que também foi campeão mundial em 58 ao lado de Bellini. Na capital paranaense, atuaram por três anos, conquistando o campeonato paranaense no último ano como profissionais.
Bellini, já com 40 anos, ainda exibia grande forma física, graças a fidelidade com as obrigações extra-campo. Já casado, o capitão atuou no Furacão com a mesma responsabilidade de quando era iniciante, exibindo um futebol sério e passando segurança à equipe.

Com o título em 1970, decidiu pendurar as chuteiras, apesar dos pedidos para prosseguir atuando. E assim, o homem que erguera a taça pela primeira vez, sentiu o cansaço e decidiu baixar os braços, para a tristeza do mundo futebolístico.

SELEÇÃO BRASILEIRA

Bellini fez sua estréia na Seleção Brasileira em 1957, nas eliminatórias para a Copa de 58 na Suécia, mais precisamente no dia 13 de abril, no empate em 1 a 1 contra o Peru, em Lima. Devido a sua seriedade em campo, o técnico Vicente Feola lhe deu a tarja de capitão já na reta final da preparação para a Copa do Mundo, após ser elogiado publicamente pelo Marechal da Vitória, Paulo Machado de Carvalho. Durante o mundial na Suécia, demonstrou muita seriedade e um estilo de jogo acima da média para os beques da época. O título e o gesto de levantar a taça Jules Rimet só coroaram o excelente mundial realizado. Bellini certa vez disse: “Foi sensacional ir à Suécia em 58, ainda garoto.

Ser convocado já era um prêmio. Ser titular e capitão de uma seleção que só tinha feras então, nem era bom pensar.


Foi uma campanha árdua, mas a conquista do título foi qualquer coisa de fantástico. Com a taça em cima da cabeça, vi o mundo todo aos meus pés. Sabia que o Brasil todo estava conquistando pela primeira vez o mundial e que aquela taça que eu segurava, seria nossa pelo menos por quatro anos e que todos haveriam de nos respeitar”. E quando lhe perguntam sobre aquele famoso gesto de erguer a taça, ele responde: “Não pensei em erguer a taça, na verdade não sabia o que fazer com ela quando a recebi do Rei Gustavo, da Suécia.

Na cerimônia de entrega da Jules Rimet, a confusão era grande, havia muitos fotógrafos procurando uma melhor posição. Foi então que alguns deles, os mais baixinhos, começaram a gritar: “Bellini, levanta a taça, levanta Bellini!”, já que não estavam conseguindo fotografar. Foi quando eu a ergui”, conta Bellini, rindo ao se recordar do histórico momento.


Na copa de 62 no Chile, Bellini foi reserva de Mauro Ramos de Oliveira, que realmente estava em melhor forma no Santos e, na copa de 66 na Inglaterra, acabou prejudicado pela péssima organização feita pela CBD, que convocou 47 jogadores e divulgou a lista de cortes às vésperas do início do campeonato. Pela Seleção Brasileira, Bellini disputou 57 partidas. Foram 42 vitórias, 11 empates e apenas 4 derrotas. Além do bicampeonato mundial de 58 e 62, Bellini faturou também a Copa Roca em 1957 e 1960, a Taça Oswaldo Cruz, em 1958, 1961 e 1962, a Taça Bernardo O´Higgins em 1959 e a Taça do Atlântico em 1960.
Educado, fino e sempre elegante, o grande Bellini não dá bola para os cartolas, principalmente para os da CBF. Nunca se sujeitou às falsas homenagens que só são feitas aos ex-craques às portas dos mundiais. Normalmente arredio, nosso inesquecível capitão de 58, fechou-se ainda mais, após a morte do seu grande amigo Mauro Ramos de Oliveira, em 2002. Bellini via em Mauro um irmão, nunca um rival da camisa 3 da Seleção Brasileira. Na abertura da Copa de 82 na Espanha, Bellini foi o nosso porta bandeira e, lá foi muito ovacionado pela torcida local. E nós que aprendemos admirá-lo, eternamente iremos ovaciona-lo, por tudo que ele fez pelo nosso futebol brasileiro.


Clubes

1947-1948: Itapirense-SP
1949-1951: São Joãnense-SP
1952-1961: Vasco da Gama-RJ
1962-1967: São Paulo FC-SP
1968-1969: Atletico-PR

Títulos por equipe

Campeonato Carioca: 1952, 1956, 1958
Copa Roca: 1957, 1960
Torneio Rio - São Paulo: 1958
Copa do Mundo: 1958, 1962
Copa Oswaldo Cruz: 1958, 1961, 1962
Copa O'Higgins: 1959
Copa Atlântica: 1960

Torneio Quadrangular do Rio: 1953
Torneio Octogonal do Chile: 1953
Torneio Rivadavia Corrêa Meyer do Rio de Janeiro: 1953
Torneio de Santiago do Chile: 1957
Torneio de Paris: 1957
Troféu Theresa Herrera: 1957

Fontes:
www.sambafoot.com.br
Site Memória do Futebol

sábado, 24 de janeiro de 2009

VITÓRIA ELETRIZANTE

O dono da dez
Foto: globoesporte.com

Torcedores do Glorioso,

O Boavista não é considerado time grande e o Botafogo não é do interior do estado, portanto, o jogo entre as duas equipes não pode ser chamado de clássico, mas, devido a acontecimentos recentes, quando Botafogo e Boavista entram em campo, os três pontos tem um gostinho a mais. Apesar de utilizar as dependências do Engenhão para treinar, o time de Bacaxá não da moleza para o Glorioso.

A história do confronto começou em 2007, quando o glorioso foi eliminado pelo adversário perdendo por 3 a 2, jogando como visitante. No ano seguinte, o Boavista não se importou em jogar na casa do Botafogo e fez, com tranquilidade, 3 a 1. E neste ano, finalmente o Botafogo venceu, 2 a 1, mas não faltou o principal ingrediente de um clássico, polêmica.

Tudo parecia normal no início de jogo, a não ser pelas poças que se formaram no gramado devido a chuva, mas, como havia treinado nessas condições, o Botafogo não se intimidou com o estado deplorável do campo de jogo. Escalando Diego para o ataque, devido a contusão de Reinaldo, Ney Franco mudou o esquema e entrou mesmo com o tradicional 4-4-2, mas que em alguns momentos virava um 3-5-2 bastante ofensivo.

A evidente falta de preparo físico de Léo Silva fazia o Boavista chegar com perigo ao gol de Renan, principalmente nas jogadas pelo lado direito com Tony. O Bota pouco tinha oportunidades e ainda sentia o peso do início de temporada. O jeito foi marcar de bola parada. Alessandro encarou a marcação e foi derrubado perto da área. Maicosuel ficou próximo a bola e Juninho um pouco mais longe, o capitão correu para a bola, mas quem cobrou foi Maicosuel, marcando um golaço na gaveta (Será que o Lúcio Flávio aprendeu?). Glorioso 1 a 0.

Com o gol o Botafogo seguiu melhor na partida e teve oportunidades claras com Victor Simões e Diego. Enquanto isso, Renan garantia a invencibilidade da defesa. Santiago chegou a marcar o gol de empate, mas o árbitro anulou alegando empurrão em Leandro Guerreiro. Aos 46 não teve jeito, após rebote da defesa, Tony pegou de primeira, na veia, um chutaço que tocou no poste esquerdo e foi morrer no fundo do barbante, golaço. 1 a 1

Veio o segundo tempo e logo de imediato a polêmica da partida. Eduardo cruzou da esquerda e Alessandro cabeceou para fora, porém a bola entrou por um furo ao lado da rede e o árbitro confirmou o gol. Na breve conversa com o assistente, o gol foi anulado. Depois, Marcelo de Souza Pinto foi conferir como estava a parte em que a bola entrou e novamente confirmou o gol. Quando tudo parecia correr para a validação do gol, o quarto árbitro chegou com a informação de que na imagem da televisão, a bola entrou por fora e enfim, com sete minutos de paralização, a cabeçada para fora foi finalmente confirmada e o jogo seguiu em 1 a 1.

De imediato Ney Franco sacou Eduardo e colocou Thiaguinho em campo, dando um pouco mais de volume na meiuca alvinegra. A partir de então, só deu Botafogo. As jogadas de Lucas Silva e Alessandro finalmente deram certo e o lateral do Botafogo chegava a arriscar de fora da área, com vários insucessos. Victor Simões teve outra chance de marcar, mas faltou calibrar o pé e a bola foi na arquibancada. No talvez único lance de lucidez da pressão alvinegra, Maicosuel entrou na área driblando três zagueiros e foi travado na conclusão. O meia seria recompensado minutos depois, Thiaguinho cruzou para área e Maicosuel deu um leve toque garantindo os três pontos. Botafogo 2 a 1 e fim de papo aos 50 minutos de jogo.

BOAVISTA 1 X 2 BOTAFOGO

Estádio: Elcyr Resende, Saquarema (RJ)
Data/hora: 24/01/2009 - 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Souza Pinto (RJ)
Cartões amarelos: Lucas Silva (BOT), Têti (BOA), Leandro Guerreiro (BOT), Alessandro (BOT), Victor Simões (BOT), Emerson (BOT), Gustavo (BOA).
GOLS: Maicosuel, 16'/1ºT (0-1); Tony, 46'/1ºT (1-1), Maicosuel, 48'/2ºT (2-1).

BOAVISTA: Vinícius, Rogério Rios, Pessanha (Gustavo, 33'/2ºT)), Santiago e Hamilton; Thiaguinho, Bruno Moreno (Cocito), Leandro Cruz e Têti; Roberto Santos (Felipe Adão) e Tony. Técnico: Julio Marinho.

BOTAFOGO: Renan, Alessandro, Emerson, Juninho e Eduardo (Thiaguinho, 8'/2ºT); Leandro Guerreiro, Léo Silva, Maicosuel e Lucas Silva (Túlio Souza); Diego (Laio) e Victor Simões. Técnico: Ney Franco.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

VAI COMEÇAR!

Quem é apaixonado e amante do futebol mais charmoso do Brasil não vê a hora da bola rolar e soltar o grito de gol que está entalado na garganta desde o fim do ano passado. Amanhã começa o Campeonato Carioca, cheio de ingredientes que irão apimentar os diversos caldeirões espalhados pelo Estado do Rio de Janeiro. As arquibancadas irão pegar fogo!

Os principais clubes da capital: Fluminense, Flamengo, Botafogo e Vasco se preparam para a estréia de forma convincente sabendo que as equipes de menor investimento não irão facilitar o caminho às semifinais da Taça Guanabara e tentarão beliscar uma das quatro vagas para o mata-mata.

Dois grupos com oito concorrentes cada irão se enfrentar em turno único, avançando para a próxima fase os dois melhores clubes de cada grupo. A novidade da Taça GB fica por conta da disputa entre o terceiro e quarto colocado de cada grupo que irão disputar partida única concorrendo ao troféu Mathias de Andrade.


FLU ESPERA ANUNCIAR THIAGO NEVES NA PRÓXIMA SEMANA

O time das Laranjeiras após cancelar as negociações com o atacante Fred, do Lyon, espera anunciar o retorno de Thiago Neves. O meio-campo do Hamburgo, da Alemanha, foi vendido ao time árabe, Al-Hilal, por sete milhões de euros e pode ser emprestado ao Flu até o fim do primeiro turno do Brasileirão. Thiago Neves chega ao Rio de Janeiro na próxima quarta-feira e deve assinar contrato com o clube. A mãe do atleta já confirma a negociação e se diz animada com o retorno do filho ao Brasil: “Não sei de detalhes da negociação, mas Thiago está voltando para o Brasil, chega quarta-feira e se apresenta no Fluminense”, afirmou Eliane, em entrevista ao Globoesporte.com.

Com um excelente time para a temporada, Neves desembarca novamente nas Laranjeiras para somar e ajudar o Fluzão a conquistar os títulos. Com um meio-campo imponente principalmente com a permanência de Conca, o Fluminense torna-se mais forte em busca do título do Cariocão.

ESTRÉIA:

CABOFRIENSE X FLUMIENSE
DIA: 25/01/2009 – DOMINGO
HORA: 19:15H
LOCAL: CABO FRIO



CUCA BUSCA ACABAR COM A SINA DE AZARADO

O elenco do Flamengo está ciente do que a torcida espera para esse ano: títulos. O técnico Cuca espera acabar com a sina de azarado, após fracassar ao comando do Botafogo em temporadas passadas. O time rubro-negro mostra a cada dia encaixar-se no modo de jogo que o treinador emprega. As jogadas ensaiadas voltaram à Gávea e com a chegada de Zé Roberto e a expectativa depositada em Willians, pelo o que ele fez na pré-temporada, o Flamengo buscará a hegemonia do Campeonato Carioca, mas pensando em títulos mais fortes, como a Copa do Brasil que dá direito a uma vaga na sonhada Copa Libertadores da América.

Mesmo com um clima não muito favorável nos bastidores, o elenco do Mengão mostra-se unido e Bruno espera poder cortar o cabelo o mais rápido possível (o goleiro prometeu cortar o cabelo apenas quando conquistar um título importante pelo clube).

ESTRÉIA:

FLAMENGO X FRIBURGUIENSE
DIA: 25/01/2009 – DOMINGO
HORA: 17H
LOCAL: MARACANÃ


VASCO CONTRATA GOLEIRO PARA SER CAMISA 1

O Vasco apresentou seu elenco para a temporada 2009 nos moldes dos clubes europeus. Cerca de mil torcedores estiveram presentes a São Januário para apoiar o time e com muitas caras novas. A última delas, o goleiro Fernando, que veio do União Leiria, da Segunda Divisão do Campeonato Português. O arqueiro chega com a missão de evitar os gols das equipes adversárias e orientar o seu setor de defesa. Após conquistar títulos estaduais por alguns times do Brasil, Fernando volta ao país com a obrigação de ajudar o Vasco a trilhar o caminho das vitórias e dos títulos, a começar pelo Carioca.

Há seis anos sem conquistar o Cariocão, o time da Colina aposta no meio-campo Carlos Alberto, que deve comandar o time até o fim de seu contrato na metade do ano. O problema maior do cruzmaltino para a estréia do campeonato é o jogador Jeferson, que se destacou na pré-temporada, mas que por problemas burocráticos na justiça, foi obrigado a retornar ao Brasiliense. Entretanto, o assessor jurídico do Vasco, Luiz Américo desconhece tal problema e afirma que ele deve jogar.

ESTRÉIA:

VASCO X AMERICANO
DIA: 24/01/2009 – SÁBADO
HORA: 18:15H
LOCAL: SÃO JANUÁRIO



NOVO BOTAFOGO ESPERA VOLTAR A CONQUISTAR O CARIOCA

Após o jogo-treino com o Olaria, no Engenhão, o atacante Reinaldo, esperança de gols para o Campeonato Carioca, sentiu uma lesão na coxa e desfalcará sua equipe na estréia do torneio. Em compensação, Victor Simões, o “lutador” de General Severiano ficará responsável por infernizar os adversários ao lado do atacante Diego, recém-contratado.

A boa notícia fica por conta do goleiro Castillo, que aos poucos vai retornando as atividades com bola e deve voltar a vestir a camisa 1 da Estrela Solitária em breve. Desde outubro sem jogar, Castillo não vê a hora de reencontrar a torcida.

O zagueiro Juninho, que retorna ao clube, é o ponto de referência para alcançar o título carioca. Preparando a pontaria para marcar seus golzinhos, o capitão promete muita raça e dedicação ao Fogão.

ESTRÉIA:

BOAVISTA X BOTAFOGO
DIA: 24/01/2009 – SÁBADO
HORA: 16H
LOCAL: SAQUAREMA



quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

VACILOS!

Kléber Leite tem muito o que explicar
Foto: Globoesporte.com


Torcedores do Mais Querido do Brasil!

É uma mancada atrás de outra. A diretoria do Flamengo começa 2009 da mesma forma que 2008, cometendo os mesmos erros. A expectativa que se cria toda vez que um nome é especulado na Gávea assombra os torcedores que acreditam veementemente na contratação. Mas tudo isso não passa de papo. Novamente a diretoria encabeçada por Kléber Leite consegue colocar por água abaixo a negociação com um atleta. Dessa vez foi Mota, que já era dado como novo reforço para o ataque, havia assinado um acordo com o clube, porém devido aos boatos e sondagens, os “cartolas” do Seongwan Ilhwa (clube coreano) obrigaram Mota a cumprir o contrato até o fim (final de maio).

Conca, Diguinho, Adriano, Ronaldo e Lúcio Flávio foram jogadores que apareceram na mídia como nomes fortes para vestir a camisa rubro-negra, entretanto, o que se viu foram os boleiros partindo para outros clubes do Brasil.

No último ano da presidência de Márcio Braga, as afirmações de que o clube está cheio de dívidas e que não há dinheiro em caixa crescem. O mais incrível é que enquanto o Flamengo desembolsa mensalmente salários astronômicos por jogadores como Josiel (especula-se que ele receba 140 mil) e Zé Roberto, recém-contratado, esportes tradicionais do clube como a ginástica artística, o futsal e até mesmo o basquete não tenham o mesmo apoio.

O futebol gera muita receita para qualquer clube, isso não seria problema para arcar com todas as despejas do esporte mais amado do planeta. É corretíssimo separar o esporte das multidões dos esportes chamados “amadores”, mas o Flamengo é uma coisa só, o Flamengo é um time só, o Flamengo é uma casa só, o Flamengo é o Flamengo!

Os homens que comandam o Mais Querido do Brasil devem ter mais respeito não só a torcida que sabe amar mais do que ninguém esse clube do que muitos “sanguessugas” que se aproveitam do nome Flamengo para se promoverem, mas também deve respeitar os profissionais que lá trabalham, se esforçando e dando o máximo para por esse clube no mais alto patamar do cenário mundial. Pedir profissionalismo a diretoria não é muito, basta querer. Exemplos têm aos montes. Será preciso ser rebaixado e começar do zero? Acho que não!

Vamos falar menos e fazer mais. Competência e transparência acima de tudo! É difícil pedir uma renovação no clube se a cada triênio um sai do comando e outro é empossado, mas é cercado pelos mesmos de outrora. Por isso que ídolos que passaram pelo Flamengo não se arriscam em administrar o clube de maior torcida no mundo. Está explicado o motivo.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

BOTA VENCE O OLARIA NO ENGENHÃO

Alessandro chuta umas das poças do Engenhão
Foto: Agência Globo

Torcedores do Glorioso,
O Botafogo fez hoje sua primeira partida do ano no Engenhão. Sob forte chuva, o Glorioso derrotou o Olaria por 2 a 1, com gols de Victor Simões e Diego dando fim a pré-temporada. Apesar da vitória, nem tudo foi festa no mais moderno do Brasil, o atacante Reinaldo sentiu um desconforto ao tocar de calcanhar e passou a ser dúvida para a estréia contra o Boavista.

Logo no começo da partida, a chuva dava mostras de que não daria trégua durante toda a atividade. O campo do Engenhão estava também muito queimado, devido ao relaxamento com treinos no Caio Martins e a pouca utilização do estádio desde o fim do Campeonato Brasileiro, até a primeira partida do estadual no estádio, que ocorre na próxima quarta-feira diante do Macaé, o gramado tem de estar em perfeitas condições, ou então corre o risco de ser vetado até a melhoria do palco.

A equie começou jogando num esquema de três zagueiros, com Leandro Guerreiro atuando de defensor ao lado de Juninho e Emerson. Léo Silva fazia a cobertuda da zaga, Alessandro atuou pelo setor direito e Eduardo pelo esquerdo, o meio-campo foi formado por Lucas Silva e Maicosuel que auxiliaram Reinaldo e Victor Simões no comando de ataque. Renan era o goleiro.

Reinaldo machucou-se quando o primeiro tempo da atividade passava dos 13 minutos, o jogador sequer foi atendido no gramado, foi direto ao vestiário dando lugar a Diego. A chuva criou poças em todo o gramado e aos 35 minutos o primeiro tempo foi encerrado. Antes disso, Lucas Silva chutou, o goleiro deu rebote e Victor Simões fez um belo gol por cobertura.

Na volta para o segundo tempo, Ney Franco reformulou todo o time, apenas Diego permaneceu em campo e foi ele quem sofreu o pênalti do goleiro Jhonatan. O próprio Diego cobrou e fez o segundo. Aos 33 minutos, Thales Lemos foi derrubado dentro da área, outro pênalti, assim como Diego, o próprio Thales bateu e descontou. O segundo tempo terminou aos 40 minutos.

BOTAFOGO (1º TEMPO): Renan, Emerson, Juninho e Leandro Guerreiro; Alessandro, Léo Silva, Lucas Silva, Maicosuel e Eduardo; Victor Simões e Reinaldo (Diego).

BOTAFOGO (2º TEMPO): Milton Raphael, Thiaguinho, Wellington, Teco e Gabriel; Fahel, Batista, Túlio Souza e Jean Carioca (Alex); Diego (Wellington Júnior) e Laio

OLARIA: Jhonatan, Pedro Gabriel, Romário, Rafael e Marcus Vinícius; Ângelo, Thiago, Wallace, e Diego Neto; Vinícius e Felipe.

NÃO FARÁ FALTA

Nesta terça-feira foi anunciada no Site oficial do Vasco, a dispensa dos goleiros Rafael e Anderson, por terem cometido atos de indisciplina. Os jogadores teriam deixado o hotel da delegação e só retornado de madrugada. O circuito interno de TV flagrou a movimentação. Ontem mesmo ambos já foram mandados de volta para o Rio de Janeiro e devem ter seus contratos rescindidos. Para a estréia no Estadual o titular será Tiago. Fernando, do União Leiria, foi contratado e será apresentado ainda esta semana.

Alberto Rafael da Silva, 25 anos, chegou ao Vasco em maio do ano passado, oriundo do Itumbiara, onde era reserva do veterano Sérgio. Indicado por PC Gusmão, o goleiro com passagens pela Matonense e Inter de Limeira, passou a maior parte da temporada como terceiro goleiro, tendo a primeira chance na derrota por 2x0 para o Palmeiras, por ocasião da suspensão de Tiago e Roberto. Voltou a jogar no empate contra o Sport em Recife e permaneceu como titular até o fim do Brasileiro. Terminou a temporada em alta, mas por ainda gerar desconfiança, a diretoria procurava um outro atleta para a posição. O destino do jogador deve ser o Fluminense.

A comissão técnica não confirma a informação de que mulheres teriam ido ao quarto dos goleiros. No entanto, frisa que na quinta-feira eles já haviam feito 'besteira' e essa foi a gota d'água. Os funcionários do hotel Quality, em Vila Velha, garantem que as câmeras flagraram ambos com mulheres tanto dentro quanto fora do hotel. Eles teriam chegado ao Quality às 7 horas da manhã. Ao serem levados de van para a capital Vitória, Rafael teria se revoltado pela passagem ser de ônibus e comprado do próprio bolso um bilhete de avião. O goleiro chegou a dizer: “Não fico um dia desempregado”, confirmando assim os rumores de que estaria a caminho das Laranjeiras.

Dentro de campo, o Vasco não perde. Rafael é um goleiro comum, com qualidades e defeitos. Tem como virtudes a saída em bolas aéreas e a reposição de bola. Entretanto, apresenta muitas dificuldades nas bolas rasteiras, o que fazia com que o time levasse gols bobos. Pode ser facilmente substituído, de preferência por alguém que tenha compromisso com o grupo e seja homem, não um moleque. A diretoria e a comissão técnica acertaram em cheio ao dispensar os dois jogadores. Mais do que nunca precisamos de jogadores comprometidos com o Clube. Que o fato sirva de exemplo para todo o grupo.

O desligamento encerra um caso que retrata bem o deslumbramento que recai sobre alguns jogadores de futebol. Segundo o próprio Rafael, ele tinha desistido da carreira para ser ajudante de pedreiro. Atuando por clubes de pequeno porte, teve a grande chance ao assinar com o Vasco. Enxergando em si um talento maior do que o real, pediu um aumento absurdo de 900%, obviamente negado pela diretoria. Pior! Abandonou o que um homem tem de mais importante: seu caráter.

Lembro-me bem de uma reportagem ano passado, onde Rafael se dizia evangélico e empunhava uma bíblia. Além disso, o rapaz é casado e pai de um filho de um ano, o que demonstra que sua esposa já estava ao seu lado na época das vacas magras, não sendo assim uma maria-chuteira. Será que a 'fama' e o dinheiro viraram a cabeça do jogador e os bons valores foram 'espalmados' para escanteio?

Bem ou mal ele agora ficará encostado na reserva do Fluminense e ganhará seus tostões. Sua carreira estará garantida. E a do garoto Anderson? Reserva dos juniores e quarta opção do elenco, quanto demorará para que ele tenha uma nova chance em um grande Clube? Se é que ela aparecerá um dia. Pois é, amigos, já dizia o ditado: quem anda com os porcos , farelo come. Boa sorte ao jovem e que ele guarde essa lição para o resto de sua vida.

Com a saída de dois goleiros, o grupo ficou carente nessa posição. Antes mesmo da dispensa, a diretoria já havia acertado a contratação do goleiro Fernando Prass, de 30 anos, que estava no União Leiria de Portugal. Revelado no Grêmio, o novo arqueiro vascaíno teve seu melhor momento no país pelo Coritiba, onde foi bicampeão paranaense (03/04) e de onde saiu para o futebol português.

No Leiria, era considerado o principal jogador do elenco e foi escolhido um dos dez melhores jogadores do Campeonato Português (2006/07). Além disso, foi o goleiro menos vazado do Paranaense por três anos 2002/03/04. Experiente, deve ser o escolhido para vestir a camisa 1, ainda vaga na numeração fixa.

Quem também chega é o atacante Edgar. Atualmente no Estrela Vermelha (Sérvia). Com passagem pela Seleção sub-20, o atleta revelado pelo Joinville teve passagens pelo São Paulo, Porto e Acadêmica-POR. Com 1,90m vem pra brigar com Alan Kardec, Élton e Faioli pelo posto de atacante de referência. Ele fez exames médicos nesta quarta e será apresentado juntamente com todo o elenco na sexta-feira, em um grande evento para a torcida.

Sds vascaínas a todos!

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

OS PEQUENOS MOSTRAM SUAS GARRAS!

Inauguração do Estádio Los Larios em Xérem
Foto: André Queiroz


Enviado Especial: André Queiroz

O Blog Futebol Carioca Oficial esteve presente na inauguração do estádio Los Larios, pertencente ao Tigres do Brasil . No amistoso contra a equipe do Danúbio, do Uruguai, a Fera da Baixada empatou por 4 a 4. Cerca de duas mil pessoas prestigiaram o espetáculo no estádio que servirá de casa para o Tigres no estadual e também para o Duque de Caxias, que disputará o Brasileiro da Segunda Divisão no estádio, localizado em Xerém, Baixada Fluminense.

Para se reforçar ainda mais para o Cariocão, o Tigres contratou o veterano Yan, ex-Flamengo.

OUTROS CLUBES

Americano - O zagueiro Carlão, de 26 anos, um dos destaques da equipe no jogo-treino dessa semana, foi apontado pelo scout como o principal nome do jogo. O número de desarmes foi evidenciado pelas poucas chances criadas pelo adversário.

Carlão volta ao Americano depois de ter deixado boas lembranças. O futebol apresentado na campanha de 2006 o conduziu ao Vasco, onde disputou o Brasileiro daquele ano. Antes de retornar a Campos, defendeu o Avaí (SC), Cene (MS) e o Volta Redonda.

Outros que se destacaram foram: o atacante Kieza e o meia Rondinelli. Estes, porém, chamaram a atenção pelas conclusões a gol.

Os profissionais iniciaram o treinamento com Jéferson, Élson, Carlão e Anderson; Gil, Siller, Dejair, Éberson e Ernani; Cafezinho e Kieza

Bangu - O atacante Assumpção é o mais novo reforço do Bangu. O artilheiro da Segundona de 2008 pelo Olaria, com 13 gols, chega ao Alvirrubro depois de ter sido suspenso por 60 dias e ter sido impedido de jogar o quadrangular final da competição, devido a uma confusão no jogo em que o próprio Bangu derrotou o Olaria por 3 a 1, em Moça Bonita.

Time Base: Espíndola; Abílio, Ayala, Marcio Cleick e Rodrigo Melo; André Oliveira, Douglas Silva, Paulo Roberto e Rafael Soeiro; Assumpção. Bruno Luis

Boavista - Em mais uma partida preparatória para a estréia no Campeonato Estadual, dia 25, contra o Botafogo, o Boavista venceu o Madureira por 3 a 2, em jogo-treino que aconteceu na manhã desta segunda-feira, na Arena Guanabara, em Araruama. E foi o Tricolor Suburbano, que faz pré-temporada no local, quem abriu o placar, com o atacante Jones: 1 a 0, logo aos três minutos de jogo.

Cabofriense - Em jogo-treino disputado contra o Craques Sports, a Cabofriense não teve dó: goleou o time formado por jogadores sem clube por 7 a 1. Os atacantes Fabinho e Roberto foram os destaques da partida, marcando dois gols cada. Wesley Pipico, Demerson e Juninho completaram o marcador.

Friburguense - Os resultados da pré-temporada do Friburguense podem ser considerados preocupantes pela torcida. Dos cinco amistosos realizados, o time só venceu o Esporte Clube Esportistas de Deus. Contra adversários mais fortes, somente derrotas: cinco vezes por 1 a 0, para Madureira, Cabofriense e Americano, e duas vezes para a Seleção Brasileira Sub-20, e por 2 a 1 para o Resende.

Madureira: Depois de uma negociação conturbada, com versões que se conflitavam quanto ao acerto com o Madureira, o meia Adriano Felício, finalmente, sacramentou sua transferência para o Tricolor Suburbano. Neste domingo (11), o meia, ex-Botafogo, assinou contrato com o clube até o final do estadual, e já viajou com o grupo para Araruama, local da pré-temporada.

Time Base: Jefferson; Claudemir (Emerson), Silas, Alisson e Rogerinho (Amarildo); André Paulino, Vagner (Daniel), Adriano Felício e Victor (Fumaça); Alex Alves (Adão) e Fábio Oliveira (Jones). Técnico: Alfredo Sampaio.

Macaé: A diretoria do Macaé Esporte apresentou, na manhã desta terça-feira (20), os três últimos reforços para a disputa do Campeonato Estadual. Os contratados são o atacante Léo Macaé, o lateral-direito Chiquinho - estes dois já estavam acertados e treinando, mas ainda não tinham assinado - e o goleiro Anderson. A estréia do Alvianil na competição será neste sábado (24), às 16h, contra o Volta Redonda, na Arena Guanabara, em Araruama.

Time Base: Lugão (Darci); Fred (Chiquinho), André, Hélton (Vinícius) e Bill; André Gomes (Marciel), Léo Gonçalves, Wallacer (Carlos Alberto) e Glauber (Silvestre); Marciano (Roma) e Jackson (Osmar). Técnico: Dário Lourenço.

Mesquita: Os problemas na preparação do Mesquita para 2009 não param de aparecer. Como se já não bastasse a perda do técnico Jair Pereira, que fazia um bom trabalho de planejamento, que foi para o Itumbiara/GO, e, na seqüência, a saída conturbada de Carlos Tozzi, o atual técnico da equipe, Rubens Filho, terá que saber contornar mais uma situação adversa. A equipe, que estava concentrada em Quissamã fazendo sua pré-temporada, teve de mudar os planos e ir para Rio das Ostras.

Time Base: Marcelo Leite (Alonso); Marica (Renan), João Filipe, Vinícius (Alan Kardec) e Messias (Alex Braz); Haroldo (Argeu), André (Gilberto), Nill (Felipe) (Cleiton) e Fabrício (Bruno Carvalho); Gleisson (Nino) e Leandro Netto (Carlos André). Técnico: Rubens Filho.

Volta Redonda: O Volta Redonda fez contratações importantes para 2009, como a do zagueiro Júnior Baiano. Mais recentemente, acertou o empréstimo do atacante Fernandão e do meia Fernando, junto ao Flamengo, além de ter contratado o volante Tiago Costa, campeão da Segundona de 2008 pelo Bangu.


GLORIOSO A TODO VAPOR!

Zárate vai ou não entregar o manto?
Foto: globoesporte.com
Torcedores do Glorioso,

Na última semana antes do início do Campeonato Carioca, o Botafogo vem se aprontando para estrear a ponto de bala. No primeiro jogo-treino da temporada o Glorioso venceu o Leme, equipe da terceira divisão do futebol carioca, por 2 a 0, gols de Reinaldo e Victor Simões. A diretoria bem que tentou impedir a entrada dos torcedores, a fim de gerar um clima mais familiar com a presença do pai e do filho de Maurício Assumpção, mas depois liberou a entrada de cerca de 100 membros de uma torcida organizada.

Ainda antes de estrear no próximo sábado contra o Boavista, o time de Ney Franco faz outro jogo-treino, amanhã contra o Olaria, no Caio Martins, com entrada franca. Mesmo parecendo focado num só objetivo que é preparar-se da melhor maneira possível para a disputa da Taça Guanabara, o fogão ainda encontra alguns problemas extra-campo. O atacante Zárate ainda não sabe se fica no Glorioso, de volta a Argentina, o "gordito" ainda sonha em atuar com a camisa do Botafogo em 2009, mas se depender da diretoria o argentino ficará algum tempo na geladeira e pode até mesmo ser emprestado.

O goleiro Lopes, que estava na geladeira desde o ano de 2006 e ajudou no acesso à primeira divisão em 2003, foi liberado pela diretoria e está livre, leve e solto para negociar com outro clube. Talvez uma atitude impensada, pois além do goleiro Renan, o Botafogo conta apenas com Mílton Raphael, que subiu da base, já que Castillo permanece machucado por pelo menos mais três meses, mas, segundo informações, o alvinegro negocia com outro camisa 1 para a disputa do estadual.

Quem ainda não encontrou uma formação ideal e fica alternando entre 4-4-2 e 3-5-2 é o técnico Ney Franco, que começa a criar raízes da sua república do pão de queijo ao escalar Fahel, Léo Silva e Diego entre os titulares. A partida contra o Olaria deverá servir para organizar a cabeça do velho Ney em torno do esquema tático que o time irá adotar, tudo indica que ele fique no 3-5-2, com o capitão Juninho atuando de líbero. Ainda para atrapalhar a escalação da equipe, Reinaldo e Jean Carioca ainda não estão regularizados na Federação Carioca e o clube se esforça para estar tudo certo até o próximo sábado, é esperar para ver.

DO FUNDO DO BAÚ: ATLÉTICO MINEIRO (MG) 0 x 1 SANTOS (SP) (1966)

No dia 31 de Março de 1966, numa quinta-feira, se enfrentaram no Estádio do Mineirão, Atlético Mineiro e Santos em partida amistosa e o time da Vila Belmiro levou a melhor ganhando por 1 tento a 0 com gol de Pelé.

o Jogo

ATLÉTICO MINEIRO (MG) 0 x 1 SANTOS (SP)
Data: 31/03/1966
Amistoso Interestadual
Local: Estádio do Mineirão / Belo Horizonte
Público: 38.077 pagantes
Renda: Cr$ 75.432,00.
Árbitro: Oltem Ayres de Abreu
Gol: Pelé 90
ATLÉTICO MINEIRO: Hélio; Canindé, Dari, Fred e Dawson; Ayrton e Paulista; Buião, Toninho, Roberto Mauro e Ronaldo / Técnico: Gradim.
SANTOS: Cláudio; Carlos Alberto, Oberdan, Zé Carlos e Haroldo; Zito (Joel) e Lima; Dorval (Coutinho), Toninho Guerreiro, Pelé e Edu (Pepe) / Técnico: Antoninho.

O Craque: Cláudio
Pequeno no tamanho, mas grande em cada performance dentro de campo, ou melhor, dentro do gol.
Ele é o Cláudio César de Aguiar Mauriz, o Cláudio, um dos grandes goleiros que o Santos Futebol Clube já teve até hoje.

Nascido na cidade maravilhosa, Rio de Janeiro, no dia 22 de Agosto de 1940, Cláudio começou sua ilustre carreira no Fluminense no ano de 1961 a 1963, passou pelo Olaria em 1963, Bonsucesso 1964, chegando ao Santos em 1965, onde ficou por oito anos.

Habilidade, agilidade, frieza e segurança eram suas qualidades quando entrava em campo. Com muita personalidade, mostrou que era capaz e substituiu outro grande goleiro: Gilmar dos Santos Neves, bicampeão mundial pelo Santos e um dos maiores goleiros da história do futebol brasileiro.

Tamanho era seu desempenho no gol que foi escalado pela Seleção Brasileira em 1968 e 69. Em 1972, Cláudio foi goleiro da Seleção em amistoso no Pacaembu, quando o Brasil venceu a Seleção do Uruguai por 2 a 0.

Foi responsável pelas vitórias consecutivas do Santos no Campeonato Paulista de 1967, 68 e 69. No Santos FC, disputou 225 partidas e conquistou sete títulos.

Com todas estas qualidades e conquistas, Cláudio teve um final trágico: morreu em 24 de junho 1979, em Nova York, Estados Unidos, onde esteve internado em dura luta contra o câncer.
Mas seu nome está escrito para sempre na história do melhor time de todos os tempos.

Títulos conquistados

Campeão Paulista: 1967, 1968 e 1969
Campeão do Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1968)
Campeão do Torneio Triangular de Roma/ Itália (1967)
Campeão do Torneio Octogonal/ Chile (1968)
Campeão do Torneio Pentagonal de Buenos Aires (1968)
Detentor da Vice-Fita Azul do Futebol Brasileiro (17 partidas invictas, no período de 26 de maio a 09 de julho), disputadas em: Japão, Hong Kong (China), Coréia do Sul, Tailândia, Austrália, Indonésia, Estados Unidos da América do Norte e Canadá.

Seleção
6 Jogos:
17.07.1968 Perú, 14.07.1968 Perú, 20.06.1968 Polônia, 16.06.1968 Alemanha, 12.06.1968 Uruguai, 09.06.1968 Uruguai,

Fontes:
www.santistaroxo.com.br/artigo/?id=2404 - 27k
http://www.sambafoot.com.br/

CARIOCA MOVIMENTA OS BASTIDORES DA TV!

As novidades da televisão não param de circular pela web. A Bandeirantes fechou com a Globo a renovação da parceria para a transmissão dos campeonatos até o próximo ano. Além dos tradicionais torneios como Brasileiro, Sul-Americana, Paulistão e Copa do Brasil, o Cariocão também será transmitido.

A Rede Globo de acordo com informações do jornal “Extra”, demitiu o comentarista Sérgio Noronha que trabalhava na emissora há bastante tempo. Noronha deve se transferir para a Band, impondo seus comentários na nova casa. Para seu lugar, Alex Escobar, que trabalha nas organizações Globo, no 'SporTV" e no “Bom Dia Brasil”, será promovido a novo comentarista.

O Campeonato Carioca começa a mexer não só dentro de campo como fora dele.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

AQUECENDO AS TURBINAS!



Ontem, em Cariacica, o Vasco venceu a Desportiva Capixaba por 1x0 no seu último amistoso antes da estréia do Campeonato Carioca 2009. O gol da vitória cruzmaltina foi marcado pelo zagueiro Titi, após cobrança de escanteio de Alex Teixeira. Apesar do magro placar, a partida, assistida por 12 mil espectadores, mostrou uma clara evolução do time vascaíno. A estréia no Estadual será sábado, contra o Americano em São Januário.

Destaque inicial para a bela presença da torcida vascaína, que com faixas, bandeiras e cantos, mostrou mais uma vez sua força no Espírito Santo. Cantando o tempo todo, a torcida reverenciou o ídolo Edmundo e deu força a todos os novos jogadores, saudando-os quando substituídos. Que esse exemplo seja a tônica de todo o ano, com a torcida sendo a força motora do time em 2009.

Em campo vimos um Vasco infinitamente superior tecnicamente, mas claramente com problemas de entrosamento, além de ter que lutar contra o péssimo gramado, que dificultava a condução de bola. Com Rodrigo Pimpão como referência no ataque, o time contou com a aproximação dos meias e dos laterais para levar perigo ao gol do goleiro Walter, que apareceu com destaque.

Em ritmo de treino, nossa equipe titular encontrou do outro lado uma equipe muito fechada, o que não nos impossibilitou de criar jogadas ofensivas. Léo Lima, atuando como segundo volante, chegava bem ao ataque, mas pecava nas finalizações. Jeferson atuou recuado demais, não podendo assim, mostrar o bom futebol que chamou a atenção no Santo André. Um lado positivo da movimentação foi a boa postura defensiva, que não deu a mínima chance para o time capixaba. Rafael foi um mero espectador da primeira etapa. Mesmo com o domínio, o Vasco não conseguiu balançar as redes e o placar dos primeiros 45 minutos foi 0x0.

No segundo tempo, a equipe manteve a postura ofensiva. Aos 12 minutos, Walter fez uma defesa sansacional em cabeçada de Fernando. Minutos depois, Dorival Jr. sacou Léo Lima e Carlos Alberto para a entrada de Alex Teixeira e Faioli, puxando Rodrigo Pimpão para sua posição de origem, como segundo atacante. Com um típico camisa 9, a melhora do time foi evidente. Aos 20, Faioli deu um chutaço de fora da área, exigindo grande defesa de Walter. Na cobrança do córner, Alex Teixeira cobrou na cabeça de Titi que subiu no quinto andar e testou forte sem chances para o goleirão. Vascão 1x0 e festa da torcida.

O Vasco seguiu em cima, mas em um ritmo mais lento. As faltas se multiplicavam de ambos os lados e o juiz abusava de distribuir cartões. Aos 26, Fernando levou o segundo cartão e foi expulso, deixando o Vasco com um a menos. Dorival Jr. aproveitou para fazer experiências e a Tiva se engraçou. Foi uma experiência válida para esse novo grupo se acostumar a ser pressionado e em amistoso, todo aprendizado é válido. O jogo terminou mesmo em 1x0 e a primeira vitória vascaína com o novo uniforme da Champs. Que seja a primeira de muitas!

O time atuou com: Rafael; Paulo Sérgio (Fágner 28'/2ºT), Fernando, Titi (Mateus 35'/2ºT) e Ramon (Fernando Galhardo 35'/2ºT); Amaral, Léo Lima (Alex Teixeira 18'/2ºT), Jéferson (Bruno Gallo 43/2ºT) e Fernandinho (Enrico 25'/2ºT); Carlos Alberto (Faioli 18'/2ºT) e Rodrigo Pimpão (Gian 28'/2ºT).

Longe de ser brilhante, mas em franca evolução. Assim pode ser definido o time vascaíno após o amistoso de ontem. Diferentemente, do duelo contra o Vilavelhense, a equipe mostrou mais rigor tático e bom trabalho de passes. A aproximação de Léo Lima ao ataque é um fator positivo contra equipes mais fracas e retrancadas, mas sua ajuda na defesa será fundamental nos clássicos e em jogos mais equilibrados. Os laterais mostraram qualidade no apoio e nos cruzamentos, sem vacilar na marcação. Pelo visto, essa pode ser a grande força do Vasco 2009. Se contarmos com um centroavante bom na bola aérea, será preciso muito cuidado dos adversários.

A lamentar a falta de um camisa 9. Pimpão se esforçou mas parece render melhor caindo pelos lados, no lugar por exemplo de Fernandinho, que mais uma vez não mostrou nada demais. Enquanto Elton não tem condições de jogo e Alan Kardec está na Sub-20, seria uma boa dar oportunidade a Faioli, que vem mostrando bastante empenho na pré-temporada. Ciente de que essa pode ser sua última oportunidade no Vasco, o atacante canhoto vem trabalhando forte para agradar Dorival Jr.

Na defesa, Titi mostrou muita qualidade e força e parece ter ganho a vaga de Gian. Fernando foi expulso por abusar das faltas fortes, mas no geral também teve boa atuação. Amaral continua o mesmo. Muita luta e pouca técnica. Com a lesão de Nilton começará a temporada como titular.

Como palpitar não faz mal a ninguém, pelo visto até o momento, meu time para a estréa seria: Rafael; Paulo Sérgio, Titi, Fernando e Ramon; Amaral, Léo Lima, Jeferson e Carlos Alberto; Alex Teixeira (Rodrigo Pimpão) e Faioli.

Sds vascaínas a todos!


AFINADOS!

Obina comemora o seu gol diante do Tupi, na Granja Comary
Foto: Globoesporte.com

Torcedores do Mais Querido do Brasil!

O Flamengo continua sua preparação para a estréia no Campeonato Carioca diante do Friburguense, domingo, às 17h, no Maracanã. No último jogo-treino realizado na Granja Comary, onde o grupo fez a maior parte da pré-temporada, a equipe comandada pelo técnico Cuca não teve piedade e venceu o Tupi, de Juiz de Fora, por 4 a 1. Os destaques da atividade foram Obina e o recém-contratado Willians, que marcou um belo gol.

Diferentemente do ano passado quando o Flamengo perdeu para o Tupi por 2 a 1 antes da estréia no Cariocão, o time rubro-negro com a base mantida de 2008 venceu sem muitas dificuldades o time mineiro. Na primeira etapa, Cuca pôs a campo a equipe no habitual 3-5-2, improvisando o jovem e bom jogador Airton como um terceiro zagueiro e Everton e Obina formando a dupla de ataque com Marcelinho Paraíba e Ibson responsáveis pela distribuição das jogadas sempre com os avanços tradicionais dos alas do Mengão.

Com apenas cinco minutos, após cruzamento de Juan, Obina abriu o marcador. Com um futebol interessante de ser analisado e começando a criar uma cara ao gosto de Cuca, o xodó rubro-negro serviu pouco depois Fábio Luciano. Ao estilo centroavante, o zagueiro não titubeou e balançou a rede adversária.

Aos 42 minutos, Willians que substituiu Éverton (sentiu dores musculares) colocou uma boa dúvida na cabeça do treinador. Após jogada individual, o volante gingou pra cima do jogador do Tupi, pedalou e chutou forte para ampliar. 3 a 0. O ex-jogador do Santo André é a maior aposta após Zé Roberto e pode estrear na primeira rodada.

Na volta para a segunda etapa, o Flamengo entrou em campo com uma equipe mista, pois há vários jogadores que podem ser titulares ao longo da temporada, por isso não trato como reservas, caso de Jonatas, Vandinho, Toró, Josiel, Fierro...

O time não foi tão bem quanto ao primeiro tempo e permitiu o gol de honra dos mineiros com Ademílson aos 12 minutos. Logo após, Josiel teve a chance de desencantar. Aos 17, o atacante cobrou pênalti e marcou. 4 a 1, placar final.

O técnico Cuca colocou a campo todos os 22 jogadores que estiveram a disposição e pôde provar que tem um bom elenco. Com a chegada de Zé Roberto e a finalização do imbróglio com o atacante Mota, o Flamengo fecha o ciclo de contratações para o primeiro semestre e começa a focar os objetivos que são os títulos a começar pela hegemonia no Rio de Janeiro e conseqüentemente o Tri Estadual.

A torcida pode ficar feliz, pois a expectativa é enorme depositada nesses atletas. Mesmo não podendo acompanhar a partida de perto, a nação rubro-negra esteve presente para prestigiar o confronto e lógico, conseguir fotos e autógrafos com aqueles que vestem e devem honrar o Manto Sagrado.

1º tempo: Bruno; Aírton, Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Leo Moura, Kleberson, Ibson, Marcelinho Paraíba e Juan; Everton (Willians) e Obina.

2º tempo: Diego; Everton Silva, Douglas, Thiago Sales e Egídio; Jônatas (Kayke), Toró, Fierro e Maxi (Erick Flores); Josiel (Sambueza) e Vandinho (Paulo Sergio).

Titulares do Tupi: Alan Faria, Jaiminho, Rodrigo, Reginaldo e Michel; Daniel, Róbson, Léo Salino e Hugo; Rodrigo Nucardel e Ademilson. Técnico: José Carlos.

TORCIDA COM BRINCADEIRA NA PRAIA DA BARRA


Antes mesmo do primeiro confronto com o Vasco, que foi rebaixado para a Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro, a torcida rubro-negra começou com as brincadeiras. Nesse domingo ensolarado no Rio de Janeiro, mais precisamente na Barra da Tijuca um avião passou por cerca de uma hora com os seguintes dizeres: “Vasco rebaixado. Chora Bacalhau”.

Isso foi uma iniciativa de um grupo de torcedores fanáticos que pagaram 1150 R$ para poder sacanear os rivais da Colina.

MÁQUINA PRONTA PARA O ESTADUAL

Time se preparando para o seu último jogo-treino em Vassouras.
Foto: Wagner Luiz - Assessoria de Imprensa do Duque de Caxias FC


Amigos Caxienses,

O Tricolor Caxiense mostrou que está montando um bom time para a temporada. O time se manteve com 100% de aproveitamento ganhando os cinco desafios da pré-temporada, três por goleada. Todos os contratados jogaram bem esses treinos e darão muita dor de cabeça ao treinador Marcelo Buarque.

No jogo contra a Seleção de Vassouras, foram três gols de cabeça, dois do atacante Anderson, que mostrou grande presença de área e pode substituir muito bem o ídolo Edivaldo, no caso do atacante titular não puder jogar.

Outro que se mostrou ser um ótimo jogador, foi o atacante Zé Carlos que chegou ao Duque como Juninho Bebê, mas o treinador preferiu "renomeá-lo". Ele jogou os 90 minutos desse amistoso e correu o tempo todo, deu bons passes, mas para ser um jogador completo, basta apenas ter mais confiança para chutar ao gol.

Na meiúca, Alberoni e Léo Oliveira vêm se destacando. Os dois fazem uma ótima proteção à zaga, saem bem para o jogo, e chutam muito forte de fora da área.

Na zaga, a "posição-problema" de 2008, está muito bem arrumada. Foi a posição que mais recebeu mais jogadores contratados e todos de alto nível. No jogo deste sábado, Eduardo Teles e Henrique foram bem seguros e passaram tranquilidade ao time. Silva, que era volante, passou a jogar na zaga e vem correspondendo.

No geral, o Duque tem três times prontos e bem preparados para a disputa do Estadual, Copa Rio e a Série B.

Mas nem tudo são flores, sábado mesmo, o xerifão Tinoco sofreu um grave lesão da coxa e ficará fora cerca de um mês e meio.

O Duque fará ainda um treino noturno nesta quinta feira no Marrentão para se adaptar ao clima e à iluminação do estádio, para que tudo esteja pronto para a estréia no sábado contra o Tigres do Brasil. O Marrentão vai ferver.